Plataforma Notícias Ordem Engenheiros Região Norte - Evolução dos cursos de Engenharia no acesso ao Ensino Superior

Evolução dos cursos de Engenharia no acesso ao Ensino Superior

Curiosidade 13 Setembro, 2021

As candidaturas à 1ª fase do concurso de acesso ao ensino superior já terminaram. Em breve serão conhecidos os resultados deste ano e espera-se que a Engenharia continue nos lugares de topo dos cursos. E como foi a evolução dos cursos de Engenharia ao longo dos anos.

 

Como é do conhecimento geral, durante muitos anos o curso de Medicina sempre foi aquele com as médias mais altas, porém nos últimos anos a tendência inverteu-se. Os cursos de Engenharia ocupam o pódio com a média de entrada mais elevada.

É um facto que ao longo dos últimos 20 anos a procura por cursos de Engenharia no acesso ao ensino superior sempre foi elevada.

Cerca de 20% dos colocados anualmente nas faculdades, são em cursos de Engenharia.

 

A elevada procura por estes cursos representa também uma maior disputa entre os candidatos e, consequentemente, uma maior média de entrada por parte dos alunos.

Ao analisar o número de candidatos colocados, por áreas de Engenharia, verificamos as áreas de Engenharia escolhidas sofreram alteração ao longo dos anos. Em 2000 o curso com mais colocados era Engenharia Civil, mas em 2020 o valor de procura para este curso diminui significativamente e, em oposição o curso de Engenharia Informática tem sofrido um aumento exponencial nos últimos 20 anos.

A procura pelos cursos de Engenharia Mecânica e Engenharia de Materiais também tem aumentado ao longo dos anos, já a área da Engenharia Eletrotécnica tem-se mantido constante o número de colocados.

Apesar das preocupações ambientais serem cada vez maiores o número de colocados na área de Engenharia do Ambiente tem diminuído ao longo dos anos, mas, em contrapartida a área da Engenharia Química e Biológica tem atraído mais alunos.

 

Comparando os cursos mais procurados por aqueles que ingressam no ensino superior nos últimos anos, verificamos que em 2000 os cursos com mais colocados foram as áreas de Engenharia Civil (1866), Engenharia Informática (1500) e Engenharia Eletrotécnica (1237). Já em 2020, do top 3 das Engenharias com maior número de colocados saiu Engenharia Civil e entrou Engenharia Mecânica.

 

Assim, podemos afirmar no que diz respeito ao número de colocados por especialidade as Engenharias “tradicionais” são as que continuam a formar mais estudantes, mas no que diz respeito às médias mais altas são as “novas” Engenharias que lideram. Engenharia Aerospacial já se encontrava no top 3 das Engenharias com média de entrada mais elevada e assim continua nos dias de hoje, mas hoje, ainda com mais procura.

 

Verificamos ainda que  as médias de entrada nos cursos de Engenharia estão cada vez mais elevadas. Nos últimos cinco anos o top 3 das notas mais altas é constituído por três cursos de Engenharia, a saber, Engenharia Aeroespacial, Engenharia Física Tecnológica e Engenharia e Gestão Industrial, sendo que no último ano todas elas alcançaram a média de 19,1 valores.

 

 

Assim, verificamos a tendência crescente da procura e competitividade dos cursos de Engenharia ao longo do tempo. Novos cursos que cruzam a área da Engenharia com a área da Saúde também têm atraído um grande interesse por parte dos estudantes, tal como Bioengenharia e Engenharia Biomédica, tendo estes cursos médias superiores a 18 valores.

Relativamente às Universidades escolhidas pelos candidatos, especificamente no Norte do país, constatamos que a mesma tem aumentado ao longo dos anos, no que diz respeito aos cursos de Engenharia.

A Universidade do Porto (UP) é a que mais alunos acolhe, seguida pelo Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP), Universidade do Minho (UMinho) e a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD).

Verificou-se que apenas o Instituto Politécnico de Bragança (IPB) tem uma ligeira redução nos últimos dez anos.

 

Este ano, segundo o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, houve mais de 63 mil estudantes que se candidataram na primeira fase do Concurso Nacional de Acesso ao ensino superior público, o maior número desde 1996.

Na área da Engenharia há um reforço de 692 vagas em diversos cursos, sendo que 153 destas se destinam ao curso de Engenharia Civil, curso este com o maior reforço no ensino superior. Os resultados das colocações são conhecidos a 27 de setembro.

Há Engenharia nos futuros engenheiros. Há Engenharia em tudo o que há.

Fonte: Dges
(dados: 1ª fase do concurso nacional)