Plataforma Notícias Ordem Engenheiros Região Norte - Há Engenharia na luta contra o cancro gástrico

Há Engenharia na luta contra o cancro gástrico

17 Fevereiro, 2021

Sara Rocha, mestre em Bioengenharia, distinguida com galardão atribuído pela Fundação Professor Francisco Pulido Valente e pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

 

A investigadora e mestre em bioengenharia, Sara Rocha, do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto (i3S) é a vencedora do Prémio Pulido Valente Ciência 2020, no valor de 10 mil euros. Atribuído pela Fundação Professor Francisco Pulido Valente e pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), este prémio distingue o melhor artigo científico na área das Ciências Biomédicas publicado por um investigador com menos de 35 anos.

O artigo premiado tem como título “3D Cellular Architecture Affects MicroRNA and Protein Cargo of Extracellular Vesicles”, foi publicado na revista Advanced Science, e foi pioneiro na caracterização do impacto e consequências biológicas que a arquitetura celular impõe às vesículas extracelulares (EVs) produzidas pelas células de cancro gástrico.

Para tal, a equipa internacional, que integra investigadores do i3S, do grupo Expression Regulation in Cancer, liderado por Carla Oliveira, usou um modelo 3D de alto rendimento, para reproduzir a arquitetura dos tumores do estômago encontrados em doentes. Desta forma, foi possível identificar as «mensagens», específicas do contexto 3D, que as EVs produzidas pelas células malignas transportam, e as consequentes alterações no comportamento das células que recebem as EVs.

A partir dos resultados deste trabalho, e sempre utilizando o modelo 3D, a equipa de investigadores avançou para modelos pré-clínicos de ratinho, na tentativa de demonstrar o impacto da arquitetura celular, e das mensagens transmitidas pelas EVs na metastização de cancro gástrico.

Este prémio é o segundo a distinguir o trabalho de Sara Rocha e da equipa do i3S. Em setembro de 2020, a equipa de investigação já tinha recebido o prémio de melhor comunicação oral no II ENJIO- Encontro Nacional de Jovens Investigadores em Oncologia, atribuído pela Liga Portuguesa contra o Cancro.

 

Sobre Sara Rocha

Mestre em Bioengenharia pela Faculdade de Engenharia da U.Porto (FEUP), Sara Rocha concluiu recentemente o doutoramento em Biotecnologia Molecular e Celular aplicada às Ciências da Saúde, no âmbito do Programa BiotechHealth do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS).

Durante a tese de mestrado, desenvolvida no INEB e no Ipatimup – ambos  integrados no i3S – participou na criação de um modelo in vitro 3D para estudar a transição epitélio-mesenquima associada ao processo de metastização em cancro. Viria a profundar este trabalho na  sua tese de doutoramento, dedicada ao estudo da interação entre células tumorais, vesículas extracelulares e células imunes, e como é que estas interações contribuem para a progressão do cancro.

Este projeto levaria a investigadora a colaborar com outros laboratórios nacionais e internacionais, tais como o iMM (Lisboa) e o INL (Braga), a Universidade de Freiburg (Alemanha) e LUMC (Países Baixos). Estas colaborações resultaram, até ao momento, em cinco publicações científicas, duas das quais como primeira autora.

Sara Rocha integra ainda a equipa da iLoF, uma startup incubada na Faculdade de Medicina da U.Porto  (FMUP) e que se vem destacando no desenvolvimento de ferramentas no domínio da “medicina personalizada”.

 

Fonte: Notícias UP