Plataforma Notícias Ordem Engenheiros Região Norte - [Artigo Técnico] Plano diretor de iluminação pública

[Artigo Técnico] Plano diretor de iluminação pública

artigo técnico 16 Maio, 2020

Por Norberto Ribeiro, Especialista em Luminotecnia

Racionalização dos consumos IP e Eficiência Energética

 

Enquadramento

Um Plano Director de Iluminação Pública é um instrumento moderno e eficaz, do ponto de vista de um desenvolvimento orgânico e sustentado da infra-estrutura de iluminação pública.

A Iluminação Pública constitui uma infra-estrutura primária das cidades, mas sucede com frequência, desenvolver-se de uma forma desordenada e heterogénea, respondendo a meras solicitações pontuais ou condicionada por disponibilidades económicas de ocasião. Sem uma coerência e uma estratégia de projecto delineada tendo em conta a globalidade do território urbanizado, na sua diversidade e articulação.

Um Plano de iluminação visa também resolver esta criticidade, contribuindo para a melhor racionalização dos custos de investimento e de manutenção e, decisivamente, para a minimização do consumo energético.

O PDIP deve finalmente enquadrar uma utilização da luz como instrumento de orientação e de mobilidade, individualizando percursos urbanos e ambiências específicas, nomeadamente através da hierarquização dos níveis de iluminação e uso de temperaturas de cor diferenciadas.

 

Uma Iluminação para as pessoas

A iluminação artificial é um elemento essencial da paisagem da Cidade. A sua presença é determinante para a qualidade de vida no espaço público, mas condiciona igualmente a percepção diurna do ambiente urbano, designadamente através da presença física e design do mobiliário de iluminação seleccionado.

Para a elaboração de um Plano Director de Iluminação é pois indispensável, em articulação com a Administração do Município, promover uma análise detalhada do contexto formal e histórico do território, articulando-a com as propostas urbanísticas que regulam o desenvolvimento e recuperação do edificado e os Planos da Mobilidade Urbana.

O bom resultado do projecto de iluminação, independentemente da ambiência tratada, não podendo prescindir da adequada valorização dos factores psicológicos, comportamentais e culturais, presentes em cada caso.

 

Principais “outputs” do projeto

Os objectivos do PDIP são, a um tempo, de ordem:

Urbanística: na perspectiva de uma melhor acessibilidade e lisibilidade do espaço público, sentimento de segurança, coerência do espaço e estruturação geral do território;

Cenográfica: na perspectiva da maior valorização do património, definição de uma estética urbana e promoção da identidade territorial;

Económica: do ponto de vista da melhor gestão dos custos de investimento e de manutenção da infra-estrutura IP, economia de energia e reconversão do parque de luminárias instalado.

Ambiental: impondo regras para a redução da poluição luminosa e promovendo a sustentabilidade ambiental, redução das emissões de CO2 e custos de reciclagem de componentes.

 

Os principais “OUTPUTS” esperados, sendo:

Caracterização e diagnóstico da infra-estrutura IP existente, como ponto de partida e elemento indispensável de uma planificação sustentada da necessária reconversão da tecnologia.

Tipologia e quantidade dos diferentes modelos de luminárias instaladas

Alturas de montagem do equipamento

Potência eléctrica e luminosa das fontes

Níveis médios de iluminação garantidos

Análise de obsolescência e criticidade dos aparelhos de iluminação

Tipificação de áreas homogéneas de intervenção e zonas de conflito.

Identificação dos eixos principais

Hierarquia viária e Classes de Iluminação

Áreas verdes, jardins e parques públicos

Emergência de pontos singulares históricos, culturais e artísticos

Projecto integrado e coerente de intervenção sobre a infra-estrutura IP do território, visando a reconversão faseada da tecnologia actual e uma ILUMINAÇÃO PÚBLICA EFICIENTE, sem prejuízo de preocupação por uma estética de Cidade e desenho da sua “hospitalidade”.

Máximo conforto visual

Redução e controlo da poluição luminosa e luz intrusiva

Mapeamento de Temperaturas de cor

Critérios de projecto e de escolha de suportes e aparelhos de iluminação

Níveis exigíveis de luminância e de iluminância

Rácios de eficiência energética

Critérios e recomendações técnicas no âmbito da Iluminação Arquitectural

 

Redução sustentada da factura energética, resultante da mudança para tecnologia de iluminação mais eficiente e atenção a novas normativas de projecto.

 

Plano de Gestão Inteligente da rede, numa dupla perspectiva de redução da iluminação a partir de determinada hora do período nocturno e componente de sazonalidade de alguns locais, viabilizando uma redução complementar da factura energética, sem prejuízo da garantia de segurança.

 

Contributo para uma maior valorização e coesão territorial, na perspectiva de uma interpretação do espaço no seu todo, visando um projecto global e coerente. Rompendo-se com o paradigma de uma iluminação uniformizada, sem a indispensável criação de áreas de contraste, o desenho de um PDIP procura encontrar linhas de coerência na diversidade das soluções técnicas, contribuindo para valorizar a identidade própria de cada monumento e de cada sítio.

 

Defesa do ambiente, associada à promoção de Energia Sustentável, controlo efectivo da Poluição Luminosa e proposta de adopção de práticas de Projecto de Iluminação Pública Eficiente.