Plataforma Notícias Ordem Engenheiros Região Norte - Primeiro parque eólico flutuante semi-submersível do mundo é português

Primeiro parque eólico flutuante semi-submersível do mundo é português

Tecnologia 25 Julho, 2020

É português o primeiro parque eólico flutuante da Europa Continental, chama-se WindFloat Atlantic e está 100% operacional.

 

Depois de vários anos de projeto o WindFloat Atlantic está 100% operacional e a injetar no sistema elétrico nacional eletricidade de origem renovável suficiente para abastecer o equivalente a 60.000 utilizadores por ano, poupando quase 1,1 milhões de toneladas de CO2.

Este é um projeto pioneiro a nível mundial, que tem como objetivo central, a exploração do recurso eólico em águas profundas e está situado a 20 quilómetros da costa de Viana do Castelo, onde as águas alcançam uma profundidade de 100 metros.

O WindFloat Atlantic é constituído por três as unidades flutuantes com turbinas de 8,4 MW, as maiores do mundo até agora instaladas numa plataforma flutuante. Possui uma capacidade total instalada de 25 MW e é o primeiro parque eólico flutuante semi-submersível do mundo.

A tecnologia utilizada é chave para o êxito do projeto, destacando-se a ancoragem, pois permite a instalação em profundidade, como já referimos, e também o seu design que é orientado para a estabilidade em condições climatéricas e marítimas adversas.

Duas das plataformas foram construídas nos estaleiros de Setúbal (Portugal) e a terceira nos estaleiros de Avilés e Fene (Espanha).

 

Vantagens da tecnologia Windfloat

Este tipo de plataforma é indicada para zonas costeiras de média e grande profundidade. Uma das suas principais vantagens é sua facilidade de montagem com menos custos e impactes ambientais.

Para além disso esta tecnologia tem vantagens mais vastas que aumentam a sua acessibilidade e a relação custo-eficácia, incluindo:

  • a aptidão para montagem em doca seca;
  • não há necessidade de rebocadores especializados;
  • não depende de operações offshore complexas associadas à instalação das estruturas tradicionais de base fixa.

Todas estas vantagens tecnológicas tornam viável a sua replicação em qualquer outra parte do planeta e em maior escala.