Pacto OERN

O Pacto OERN para a “Qualidade e Valorização do Trabalho dos Engenheiros” é uma iniciativa da OERN que pretende conciliar objetivos com entidades e empresas que prossigam compromissos na melhoria das oportunidades de trabalho dos Engenheiros.

Enquadrado na missão da Ordem dos Engenheiros – Região Norte e nas intenções e diretrizes estratégicas atuais, o Pacto OERN para a “Qualidade e Valorização do Trabalho dos Engenheiros” servirá de base ao desenvolvimento de ferramentas necessárias à qualidade e condições de empregabilidade e por conseguinte, contribuir a fixação e regresso dos nossos Engenheiros a Portugal.

Pelo presente Pacto, a OERN quer reunir empresas, com sede e influência na Região Norte de vários setores de atividade, no qual estas assumem o compromisso voluntário, na resposta ao atual enquadramento de empregabilidade dos Engenheiros, enquadrado num processo de mudança de paradigmas na sociedade e reconhecimento público dos Engenheiros.

O Pacto OERN está aberto a todas as empresas com sede e influência na Região Norte que pretendam subscrever

Para a elaboração deste pacto a OERN fez uma auscultação aos Engenheiros, que contou com mais de 2 mil respostas, e cujos resultados foram fundamentais para estabelecer os objetivos que se esperam agora cumprir com este Pacto. Estes resultados decorrem de uma participação ativa dos membros da Região Norte que assim esperam ver na Ordem abertura ao mundo da economia real e da Engenharia.

Veja alguns os indicadores que suportaram este Pacto aqui 

  • • Garantir a progressão dos Engenheiros na profissão;
  • • Motivar a contratação de Engenheiros qualificados, bem como adequar as competências dos mesmos às funções desempenhadas;
  • • Elevar a qualidade e condições de trabalho dos Engenheiros; 
  • • Fomentar equilíbrios nas condições e relações de trabalho resultantes de desigualdades de género, de idade, racial e ética, por exemplo;
  • • Incentivar valorização das remunerações e outros benefícios;
  • • Reforçar a ligação entre a OERN e o sistema empresarial da Região Norte.

Leia a Minuta completa aqui

Com vista à execução dos objetivos indicados as empresas signatárias assumem os seguintes compromissos:

Apoiar a implementação de medidas e ações de apoio à empregabilidade dos Engenheiros, a atração e fixação de talento no país, a valorização das competências profissionais e o empreendedorismo com a adoção de uma abordagem conjunta para a valorização do exercício da Engenharia, como:

• Aumentar a remuneração dos Engenheiros; 

• Garantir a execução de atos de Engenharia por Engenheiros qualificados para o exercício da profissão e em conformidade com os respetivos níveis de qualificação;

• Proporcionar um ambiente de trabalho saudável e seguro;

• Incentivar uma tipologia de contrato de trabalho estáveis;

• Promover de oportunidades e diversidade nas condições de trabalho dos Engenheiros;

• Desenvolver um programa de formação e desenvolvimento dos colaboradores;

• Integrar profissionalmente Engenheiros com base num plano de desenvolvimento de competências;

• Contratar recém-licenciados nas escolas de ensino superior nacionais em condições superiores aos definidos nos programas públicos de apoio;

• Fomentar o regresso de Engenheiros que trabalhem no estrangeiro;

• Promover práticas de sustentabilidade responsáveis.

– Colaborar com a OERN na partilha de informação relevante sobre as condições de trabalho, com uma frequência máxima semestral, de acordo com os objetivos do presente Pacto, garantindo a confidencialidade e proteção de dados;

– Contribuir para o crescimento quantitativo e qualitativo da atividade profissional, o qual deve ser prosseguido através destas medidas, enquadradas no propósito, realidade e responsabilidades associadas a cada uma das entidades.

Leia a Minuta completa aqui

Assinaram o Pacto OERN, no dia 10 de janeiro, as empresas A400, ACA, BIMMS, Casais, Dourogás, Efacec, GEG, Infraspeak, Mota-Engil, Painhas e Sopsec, que se comprometem a conciliar objetivos que prossigam compromissos como o incremento de condições para o desenvolvimento pessoal, social e profissional, concretizando uma mudança real no atual contexto profissional da Engenharia em Portugal.